Envelhecimento e solidão, infância e perda da inocência, as necessidades e desventuras do corpo: estes são alguns dos temas em torno dos quais orbitam os contos de Antonio Carlos Viana. Seus textos são urdidos de forma enxuta, límpida; suas personagens são construídas por meio de poucas ações e descrições. O autor descarta sentimentalismos para elaborar narrativas nas quais predomina o humor sutil, de insinuações potentes, e o realismo duro, sem floreios. Antonio Carlos Viana foi vencedor do prêmio da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) em 2009 (Cine privê) e 2015 (Jeito de matar lagartas).

O AUTOR

Nome

Antonio Carlos Viana

Nascimento

1944, Aracaju (SE), Brasil.

Língua

Portuguesa

Sobre Antonio Carlos Viana e sua obra

O LIVRO

Título

Jeito de matar lagartas

Editora

Companhia das Letras

Contos

  1. A Muralha da China
  2. Roteiro da solidão
  3. Jeito de matar lagartas
  4. Amarelo Klimt
  5. Dona Katucha
  6. Cara de Boneca
  7. Florais
  8. Professor Locarno
  9. Nena de cabelos soltos
  10. Cozinha benguela
  11. Lucy in the sky
  12. Balé
  13. Madame Viola faz escova progressiva
  14. Paixão no delta
  15. Cremação
  16. Um traidor
  17. Missa de sétimo dia
  18. A caixa
  19. Salviano
  20. As margens férteis do Nilo
  21. Três lembranças
  22. Enquanto espero
  23. Reencontro
  24. Tia Lala
  25. Maria Montez
  26. Batatas bravas
  27. Gedeão

Fragmento

“Um dia você acorda sozinho, sem ninguém no mundo, o telefone não toca e o silêncio toma conta de tudo. Foi num dia assim que dona Ineide começou a se desesperar. Às vezes cantava só para sentir que ainda tinha voz. O marido morrera, os filhos se foram e, de repente, ei-la sozinha naquele casarão. Depois de muito pensar, resolveu colocá-lo à venda, não para ir morar em um apartamento, mas apenas para ter alguém batendo à sua porta, convidar para entrar, tomar um café e entabular negociações em que ela não estaria nem um pouco interessada.” (Roteiro da solidão, conto de Antonio Carlos Viana)