Os contos de Dalton Trevisan são tragicomédias da pequenez humana, encenadas em motéis baratos, pensões, cômodos de classe média-baixa. Estruturadas sobre a espinha dorsal de diálogos repletos de elipses e subtextos, plenos em sarcasmo e erotismo, suas histórias esmiúçam impiedosamente as intimidades físicas e mentais das personagens. Os quinze contos de O vampiro de Curitiba narram as peripécias de Nelsinho, personagem típico deste universo. Dalton Trevisan recebeu o prêmio Camões em 2012.

O AUTOR

Nome

Dalton Jérson Trevisan

Nascimento

1925, Curitiba (PR), Brasil.

Língua

Portuguesa

Sobre Dalton Trevisan e sua obra

O LIVRO

Título

O vampiro de Curitiba

Editora

Record

Contos

  1. O vampiro de Curitiba
  2. Incidente na loja
  3. Encontro com Elisa
  4. Contos dos bosques de Curitiba
  5. Último aviso
  6. Visita à professora
  7. Na pontinha da orelha
  8. Eterna saudade
  9. Arara bêbada
  10. O herói perdido
  11. Chapeuzinho vermelho
  12. Debaixo da Ponte Preta
  13. Menino caçando passarinho
  14. As uvas
  15. A noite da paixão

Fragmento

“Olhos velados que suplicam e fogem ao surpreender no óculo o lampejo do crime? Com elas usar de agradinho e doçura. Ser gentilíssimo. A impaciência é que me perde, a quantas afugentei com gesto precipitado? Culpa minha não é. Elas fizeram o que sou — oco de pau podre, onde floresce aranha, cobra, escorpião. Sempre se enfeitando, se pintando, se adorando no espelhinho da bolsa. Se não é para deixar assanhado um pobre cristão por que é então? Olhe as filhas da cidade, como elas crescem: não trabalham nem fiam, bem que estão gordinhas. Essa é uma das lascivas que gostam de se coçar. Ouça o risco da unha na meia de seda. Que me arranhasse o corpo inteiro, vertendo sangue do peito. Aqui jaz Nelsinho, o que se finou de ataque. Gênio do espelho, existe em Curitiba alguém mais aflito que eu?” (O vampiro de Curitiba, conto de Dalton Trevisan)