RAYMOND CARVER — SESSENTA E OITO CONTOS

A prosa de Raymond Carver é realista, minimalista, precisa. O autor narra detalhes aparentemente banais, gestos corriqueiros. Suas personagens operam na frequência do dia a dia, conversam sobre a concretude circundante. São auxiliares de escritório, operários, balconistas. Pessoas da classe média-baixa dos Estados Unidos, habitantes de subúrbios, de pequenas cidades, cujas preocupações giram em torno de fugir do desemprego, beber [...]